Mercado

PAC soma R$ 135 bilhões em obras paralisadas

10 de abril de 2019

As cerca de 4,7 mil obras paradas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) equivalem a R$ 135 bilhões de investimentos, segundo levantamento apresentado nesta quarta-feira (10) pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Desse total, aproximadamente 65 bilhões já foram executados. De acordo com estimativa da entidade, a retomada dos empreendimentos pode ajudar a gerar 500 mil postos de trabalho.

O estudo ‘Obras Paralisadas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)’ foi encomendado pela CBIC à empresa Brain – Bureau de Inteligência Corporativa, em correalização com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional). Os dados foram divulgados durante o seminário ‘Paralisação e Retomada de Obras de Infraestrutura no Brasil’, em Brasília.

“É um momento muito importante para a CBIC. A elaboração deste diagnóstico é um sonho alentado há um bom tempo”, disse o presidente da entidade, José Carlos Martins, durante a abertura do evento.

Os dados foram obtidos nos portais do Ministério do Planejamento — cuja estrutura agora integra Ministério da Economia —, Ministério da Saúde e Caixa Econômica Federal.
Para aprofundar a análise, a Brain separou amostragem de mil empreendimentos diversos de infraestrutura (equivalentes a R$ 25 milhões em investimentos paralisados) entre as 4.669 identificadas. O estudo mostra que:

• 39,8% das obras estão na região Nordeste e 24,3%, no Sudeste;
• 35,2% dos investimentos (R$ 8,8 milhões) estão no Sudeste e 23,2%, no Nordeste (R$ 5,8 milhões);
• 33,4% dessas obras representa investimentos acima de R$ 15 milhões e 21,8%, entre R$ 1 milhão a R$ 3 milhões;
• Os estágios de execução dos empreendimentos são bem diversos e equilibrados: até 10% de andamento, são 183 obras; de 11% a 30%, 196 obras; de 31% a 50%, 165 obras; de 51% a 70%, 168 obras; de 71% a 90%, 158 obras; e de 91% a 100%, 130 obras;
• 29,8% das obras paralisadas são de urbanização de assentamentos precários, 22,4% de saneamento e 14,8% de creches e pré-escolas.

Ao todo, 94% de todos os empreendimentos foram geradas pelos ministérios da Cidades (hoje englobado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional), da Saúde e da Educação.
Um dos focos do levantamento foi detalhar os motivos para a interrupção. “Se fala muito em obras paralisadas, mas, quando se pergunta quais são as razões disso, apenas se especula. Foram identificadas cerca de 1,3 mil justificativas diferentes”, explicou o sócio diretor da Brain, Marcos Kahtalian.

Segundo o diagnóstico, 27,4% dos empreendimentos estão parados devido a problemas com documentação, 14,8% por questões relacionadas a boletins de medição, 13% por reprogramação, e 10,4% por pendências com licitação. Esses quatro motivos correspondem a 66% do total.

O vice-presidente da área de Infraestrutura da CBIC, Carlos Eduardo Lima Jorge, destacou a importância do estudo para a elaboração de propostas para retomar os trabalhos e enfrentar a crise econômica. “Atualmente, temos 13 milhões de desempregados, municípios e estados sem capacidade de investimento. A construção civil é uma indústria altamente empregadora, com capilaridade enorme e um alto número de obras paradas. Isso pode transformar a tempestade perfeita na oportunidade perfeita”, comentou.

O evento é promovido pela CBIC, em correalização com o Senai Nacional, e conta com o apoio da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF) e Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

Construção de mais de 1,7 mil unidades básicas de saúde está parada
A saúde é outra área gravemente afetada pelos empreendimentos interrompidos no país. Ao todo, há 1.709 novas unidades básicas de saúde (UBS) aguardam conclusão há até quatro anos. Elas representam 36% do total de obras paralisadas.
Com uma amostragem de 500 UBS analisadas do total, o levantamento aponta que:

• Mais da metade estão com mais de 70% de execução;
• 80% das obras possuem investimento até R$ 500 mil.
• Mais da metade estão no Nordeste (em quantidade e em investimento).

Brasil tem quase mil obras de creches e pré-escolas sem concluir
O acesso de crianças de 0 a 3 anos de idade a creches e pré-escolas é garantido pela Constituição, mas a construção de 969 desses equipamentos públicos está paralisada há até quatro anos em todo o Brasil, de acordo com o estudo. São cerca de 150 mil crianças sem o serviço.

Criado pelo governo federal, o PAC previa, entre outros fins, ampliar a oferta de creches e pré-escolas da rede pública da educação infantil, voltada a crianças de até 5 anos, com recursos repassados pela União para os municípios. Do total de obras paradas, 20,8% são construções desse tipo de instituição.

Estudo registra 1,4 mil empreendimentos de infraestrutura inacabadas
De acordo com a pesquisa, há cerca de 1.420 obras de infraestrutura paralisadas em todo o país, que poderiam trazer melhorias na habitação e mobilidade de centros urbanos.
Os empreendimentos incluem:

• 646 (13,8%) ações de saneamento;
• 17 (8,9%) de urbanização de assentamentos precários;
• 132 (2,8%) para prevenção em áreas de risco;
• 130 (2,8%) para pavimentação;
• 95 (2%) relacionadas a recursos hídricos.

“Além de ser de valor elevado, as melhorias em assentamentos precários teriam um impacto social inegável”, ressaltou Kahtalian, da Brain.

Matéria original em

Mais Mercado

Outras matérias

logoAdemiRodape.png
Av. André Araújo, nº 97
Ed. Fórum Business Center, 12º andar, sl. 1212
Bairro Adrianópolis
CEP 69057-025 - Manaus-AM
Telefone: (92) 3346-2800, ramal 22
E-mail: ademi.amazonas@gmail.com
Pesquise o site
Desenvolvido em SPIP pela Calepino